Pesca de Farnangaio
14/08/2014
Alexandre Bouças (508 articles)
2 comments
Share

Pesca de Farnangaio

Muito mais que uma isca para grandes peixes, uma espécie esportiva.

Cotado como uma das melhores iscas naturais para a captura de grandes peixes oceânicos, como barracudas, cavalas, dourados e peixes de bico, o farnangaio (Hemiramphus brasiliensis) também é um peixe bastante esportivo de nossas praias.

Tem corpo alongado, com cerca de 20 a 30 centímetros, dorso levemente esverdeado e um bico comprido e vermelho na ponta, que deu origem à expressão: “gostaria de saber quem passou batom na boca do farnangaio”.

À mesa, é um petisco muito saboroso para ser acompanhado na companhia de uma boa cervejinha.

Mas sua grande qualidade é o potencial para saltos e puxadas frenéticas, ainda mais valorizadas quando é pescado com o equipamento certo.

farnangaio-300x225 Pesca de Farnangaio

> Varas: de ação ultra-leve ou leve (4 a 15 libras), com 2,7 a 3 metros. Tirret, Dallas e Geniale estão entre as mais conhecidas;
> Molinetes: de porte pequeno (ultra-light), com capacidade para 150 metros de linha 0,20mm. Com linha, seu peso oscila entre 200 e 300 gramas. Os modelos UL-300 Marine Sports é o mais usado .
> Linha: 0,16mm (6lb), 0,18mm (8lb) e 0,20mm (10lb), sem arranque;
> Anzóis: modelos akita kitsune nº 5 ou miako nº 6, “empatados” com linha de flúor carbono 0,25mm e 30cm de comprimento;
> Chicotes: com 60 centímetros, de fluorcarbono, com distância de 40 cm entre os rotores (tamanho 1) e giradores (número 14 a 20);
> Bóia: nº 8, formato pêra, confeccionada em madeira “kiri”;
> Chumbo: modelo moeda (ver quadro);
> Iscas: a mais usada é o camarão, em fibras e pedaços bem pequenos. Outra opção são pequenas tiras de lula, difíceis de sair do anzol, mesmo quando o peixe está fisgado.

farnangaio-chicote-300x115 Pesca de Farnangaio

farnangaio-1-300x225 Pesca de Farnangaio  farnanga04-225x300 Pesca de Farnangaio

A técnica

O farnangaio geralmente ficam bem próximos à beira, principalmente em dias com mar calmo, poucas ondas e temperatura amena.

Deve-se arremessar o conjunto o mais longe possível, para então recolher a linha, lentamente.

A chumbada moeda virá girando na flor da água, rotacionando as pernadas e as iscas. Os peixes as acompanham e costumam atacá-las mais próximos à arrebentação.

É quando sentimos um peso e conseguimos ver os seus saltos. Mas atenção: mesmo assim, deve-se continuar com a mesma velocidade, sem dar qualquer tranco ou acelerar.

Devido pequeno tamanho de sua boca, ele consegue se livrar com facilidade.

Quando estiver na areia, basta balançar o caniço para que se soltem.

A técnica é a mesma quando se usa a bóia de arremesso.

É normal, durante a pesca de farnangaio, capturarmos também pampos, palombetas e guaiviras, que frequentam a mesma faixa d’água, deixando a pescaria ainda mais divertida.

farnanga06-264x300 Pesca de Farnangaio

 

Fonte : Coluna da Revista Pesca Esportiva, Edição Nº 127/Março de 2008

 

Visite nossa loja virtual e confira toda linha de equipamentos para pesca

loja-virtual Pesca de Farnangaio

Alexandre Bouças

Alexandre Bouças

Apaixonado pela vida !!

Comments

  1. Ricardo Fernandes
    Ricardo Fernandes setembro 03, 13:55
    Boa tarde!!! Vcs teriam esse conjunto (chicote pronto) para pesca de Farnangaio? O preço por favor. Aguardo resposta Obrigado
  2. Mikexixarro
    Mikexixarro outubro 20, 22:59
    Existem várias técnicas para pescar agulinhas. Pessoalmente prefiro usar uma linha composta por uma boia tipo azeitona de 8 cm de comprimento por 3 cm de diâmetro perfurada longitudinalmente, de 20 gr de peso com um girador em cada extremo tipo Sampo, pequeno. Esta boia estará unida por snap a uma série de 6 pequenas boias de 8 mm de diâmetro, tipo yo-yo, separadas cada 30 cm. No final da linha ou chicote, terá outra boia levemente maior que as 6 pequenas, pintada da mesma cor que a boia piloto. Sua função será suportar o girador pequeno que, por meio de outro snap, estará unido ao nylon da bobina do molinete. Todo este conjunto deve medir 2,20 metros. Vamos explicar o comportamento deste chicote: Para começar explicarei como fabrico estas boias. Existe um material no mercado muito utilizado em publicidade e maquetes que é o pvc expandido. Vem em pranchas parecidas ao tamanho do compensado e com espessura até uma polegada. Também conhecido como Del Cell, bem diferente do famoso isopor. Falemos dele: entre suas propriedades devemos considerar que é um material que rechaça o fogo, tem proteção aos raios UV, tem peso, é branco mas também pode se conseguir em cores, (prefiro o branco pois posso pintar a gosto pessoal) Pode se modelar facilmente com estilete para logo lixar até com o número 600 de grau, e principalmente...flutua! Devo dizer que é caro, mas normalmente logo de ser trabalhado em estas empresas com a router, fica parte desse material que é jogado no lixo! Se alguém tiver contato com uma destas empresas é so ir ( como eu faço ) pedir autorização e levar para casa! Vamos ao ponto que nos interessa: Essa boia piloto nos permite fazer bons arremessos, e se pensamos no peso total do chicote (boia piloto, boias pequenas, nylon, giradores e snaps) fica mais que otimo se devemos procurar as agulinhas longe das ondas. O chicote leva nylon do 0.33 , Maxforce, as boinhas ficam seguras com nó corrediço ao que logo passo esmalte de unhas, uso cor preta, e as pernadas em nylon 0.28, 3GEN Duranium Estarmex, japones. Anzois Gamakatsu Akita Kitsune 12. Muitos se perguntarão o por quê de um chicote desse diâmetro podendo ser ainda menor diâmetro? Pois bem, pela minha experiência nesta pescaria aprendi que quase sempre, entre os cardumes das agulinhas sempre são seguidas por o agulhao, que pode medir até mais de um metro e da uma briga maravilhosa. Agora bem, como se trata de um depredador e rápido caçador, fica por fora dos cardumens, na espera de algum descuidado. Mas sem ataca o primeir anzol, ou seja o da boia piloto, com o qual o anzol, da mesma marca será maior, um 14 ou 16, e a pernada dele em flúor carbono de 40 o diâmetro. Então, temos um chicote com 7 anzois! Como trabalha o chicote: Feito o arremesso, sempre considerando se estamos sobre pedras ou na areia, com pequenos golpes de manivela deixaremos todo o conjunto numa linha reta, sempre observando manter essa formação, pois só ver que uma pequena boia sai dela estaremos na presença do ataque. Lembrando que as pernadas não de bem ser mais compridas que 15 cm, iremos recolhendo nosso chicote muito devagar o qual eleva nossos anzois na faixa dos 10 cm, o campo ideal das batalhas. Aclaremos que normalmente todas as boias são atacadas e podemos obter mais de 4 agulinhas por cada arremesso, segundo minha experiência e em uma hora ter uma excelente colheita. Para este chicote trabalhar ótimo uso uma vara Mitchel Premium Pike 400, ultra leve. Lógico, pode se reduzir a distância entre boias e usar uma vara de 2,50 mts . Molinete pequeno com capacidade de 150 mts de nylon ou, como eu gosto pescar elas, com multifilanento de 10 a 12 libras. Espero que tenham gostado ou desejem conhecer esta técnica, que mais lá de ser divertida, inclui o arte de construir cada componente deste chicote o qual dará muita mais satisfação na hora das capturas. Uma boa fritada com muita cerveja e até a próxima, amigos do mais nobre esporte que conheceu o homem!

Write comment